Pular para o conteúdo principal

Balada liberal




Percebemos, logo que chegamos, que a noite tinha começado há algum tempo, dada a intimidade que já rolava entre os clientes do lugar. Dentro da casa, de fachada discreta, estendia-se uma grande pista de dança, onde frequentadoras mais animadas se exibiam e garçonetes de saias plissadas, suspensórios e seios nus desfilavam com bandejas e comandas nas mãos. No andar de cima tinham quartos com camas enormes. Alguns mantinham as portas fechadas, indicando entrada proibida, embora víssemos tudo o que acontecia por grandes janelas envidraçadas. Nos que mantinham as portas abertas podia-se entrar, participar ou só observar mais de perto.

Dirigi-me ao bar, pedi um drink e recostei no balcão, divertindo-me com a putaria que estava rolando na pista. ELE se manteve afastado, como combinado, me observando, esperando que alguém me abordasse. Logo uma mulher se apresentou, fez um convite indecoroso, que recusei de pronto. Naquela noite queria homem.

Não demorou muito chegou o primeiro, meia idade, grisalho e bem charmoso. Olhei pra ELE, buscando aprovação, confirmada com um aceno de cabeça. O coroa teceu mil elogios, perguntou se era minha primeira vez ali e blá-blá-blá, até que fez o convite para subirmos. Aceitei, mas informei-lhe que estava acompanhada e que seriamos observados.

Puxou-me pela mão, até encontrarmos um quarto vazio (pura sorte). Empurrou-me contra a parede, segurando minhas mãos sobre a cabeça, enquanto me beijava a boca e me mordia o pescoço. ELE acomodou-se em alguma poltrona para apreciar a cena. "Porta aberta ou fechada?" - sussurrou no meu ouvido, "Aberta!" - respondi, sem pensar muito sobre o que isso significava, enquanto tirava a blusa pela cabeça.

Continuamos a nos agarrar ali, de pé, até ficarmos nus. O coroa charmoso era também gostoso. Com meus cabelos enrolados na mão, me colocou de joelhos, e forçou minha cabeça contra seu membro. Abri a boca e deixei-me invadir até sufocar. Ele tirava a vara para que pudesse respirar e metia novamente, até a garganta. A baba escorria, os olhos lacrimejavam. Quando me dei conta, um segundo homem também esfregava-se em minha cara, outros três  masturbavam-se do outro lado do quarto. Busquei novamente o olhar DELE, que fez sinal para que continuasse. Era espetáculo que ELE queria? Espetáculo teria. Chamei os rapazes que estavam na plateia a juntarem-se a nós. Ao meu redor cinco homens, cinco paus rijos, de formatos e cores diferentes, mas igualmente tesos. Fora ELE, que manteve-se apenas admirando minha performance. Cinco cacetes duros, me convidando a chupá-los. Alternava boca e mãos, enquanto era apalpada por eles. Dois deles gozaram ali, na minha cara.

Olhei pra ELE, que continuava sentado na mesma poltrona, tocando-se, excitado em me ver fodendo outros homens. Desvencilhei-me e caminhei em sua direção. Sua expressão de desejo me dava ainda mais tesão. Encaixei-me e cavalguei deliciosamente sobre ELE, beijando sua boca. Os outros três se aproximaram de nós, tocavam-nos, chupavam-nos, masturbavam-se. Um deles cravou-me o cu. Olhava nos olhos DELE, sendo comida por traz por um estranho. Podia sentir entre minhas pernas que ELE estava gostando, estava grande e quente. Mais uma meia dúzia havia entrado no quarto, aumentando a plateia. Alguns se masturbavam, enchendo-nos de porra, enquanto continuávamos em nossa dança libidinosa, até explodirmos em êxtase, quase juntos.

A plateia esvaziou, na certa buscando outro quarto em que a festa não tivesse acabado. Ficamos apenas nós dois, saciados, exaustos. Nos vestimos e ainda tomamos outro drink no bar antes de irmos embora, conversando sobre a toda loucura que havia acontecido. Mais uma fantasia realizada. Qual seria a próxima?

Comentários

Postar um comentário

Adorarei saber o que você pensa... fique à vontade. Só não esqueça a educação, ta?

Postagens mais visitadas deste blog

Feliz dia do professor gostoso!

Ah, os desejos pueris quase sempre passam pela lousa. Sempre tive tesao em professor, mas um em especial até hoje me deixa molhada.

-risos-

Sérgio Tadeu, era seu nome. Não sei por onde anda, nunca mais tive notícia. Dava aula de física e química na oitava série - e era um gostoso! Como sonhei com ele... Quantas vezes gozei pra ele (que, obviamente, não fazia ideia da minha paixonite). Até hoje lembro dele de costas, escrevendo na lousa. Tinha uma bunda linda e uma mala de respeito, ressaltadas pela calça jeans justa que usava. Cheguei a escrever um conto erótico em que me comia no laboratório de ciências, entre microscópios e cobras no formol. Vou procurar nos meus alfarrábios e publico aqui se achar.

Então, é o Sérgio Tadeu, professor dos meus sonhos, quem eu queria que tivesse me comido de bruços na bancada do laboratório de ciências, o homenageado deste post.

Exibida

O SeximaginariuM publicou umas fotos minhas. Eu sei que sou neófita nesse negócio de exibicionismo, mas adoraria saber o que você achou. Passa lá pra ver!

Beijos exibidos


Poline


Sexo real ou virtual?


Eu amo a internet! Como quase todo mundo, não consigo mais viver sem ela. Acusam a virtualidade de muitas coisas, mas, na verdade, ela nos dá a possibilidade de conhecer pessoas com as quais nunca cruzaríamos, não fosse pela web. Mais que isso, na rede podemos ser quem quisermos, sem o compromisso com a verdade e, muitas vezes, sob a proteção de um fake.


Eu tenho um "amigo virtual", que me faz companhia em muitas noites solitárias.

Começamos a conversar há alguns anos, quando ele me pediu umas contribuições pro seu blog.
Com o tempo nossos papos foram ficando cada vez mais frequentes e intensos. O assunto foi esquentando e, claro, começamos a falar sobre sexo. Coisas que gostávamos, nossas experiências passadas (verdadeiras ou não). Esperava com certa ansiedade nossos encontros virtuais.


Durante um de nossos papos, ele disse que estava excitado. Eu ri. Não poderia deixar passar essa oportunidade. Pedi que abrisse a câmera, ele não exitou. Levei um susto quando vi que esta…